Habitação Unifamiliar de Interesse Social

O projeto conta com 4 lotes integrados de 8,25m de frente por 12m de fundo. Cada lote é ocupado por duas famílias, sendo uma locada na habitação térrea e outra na habitação do primeiro pavimento. Apesar da integração subentendida, foi pretendido promover com o projeto as condições de habitação UNIFAMILIAR, mesmo que sejam moradias onde podem habitar até 8 famílias. Cada 4 possui seu determinado lote, sendo o único espaço coletivo o de acesso às escadas. As áreas de expansão também foram pensadas e articuladas para que se oferte ao morador a possibilidade de desenvolver sua moradia, ou mesmo estabelecer diferentes usos para o espaço do lote. Dentro desse aspecto é que se diferencia o uso multi familiar, em que múltiplos pavimentos engessam a construção e impossibilitam as expansões dos ambiente com o uso unifamiliar. Para a moradia do primeiro pavimento, foi articulado um terraço jardim com estrutura suficiente para uma possível expansão. A proposta do projeto procura se encaixar também nos novos modelos de moradia, nos quais as habitações não se compreendem apenas como os espaços de morar (da própria casa), mas também como espaços coletivos e de integração em que o conceito unifamiliar se torna muito mais abrangente, podendo enquadrar como família toda uma comunidade. Além disso, e sob os novos parâmetros de família, em que mesmo para as classes sociais mais desfavorecidas a quantidade de indivíduos por família vem sendo reduzida ao longo do tempo. No projeto não se fez uso de divisões internas por vedações verticais interiças. Foram utilizados métodos de compatibilização e segregação dos cômodos por meio do próprio mobiliário desenhado em planta ( portas com dobradiças instaladas no próprio armário, por exemplo). Esse procedimento favorece que a ventilação cruze e permeie por todos os ambientes da casa, além de promover um barateamento na construção e possibilitar investimento em outros custos da obra.

O SISTEMA CONSTRUTIVO – STEEL FRAME

Como representado na imagens abaixo o sistema de vedação vertical «steel frame» utiliza-se da montagem de peças metálicas em conjunto com diversos outros tipos de materiais para vedação. É favorecido o uso peças encaixadas e peças parafusadas. Nesse projeto foi feita a escolha de dois diferentes materiais para vedação. A placa cimentícia identificada na imagem abaixo pelo tom de cinza e as placas de OSB. É proposto que conjunto de placas cimentícias seja fixo enquanto que o sistema das placas de OSB seja flexível, ou seja, móvel. Em locais onde encontram-se os brises, as placas OSB tem a possibilidade de serem retiradas podendo proporcionar abertura completa da abertura com brise.

FORRO VENTILADO

O sistema implica na elevação da estrutura do telhado de modo que  proporcione ventilação direta na laje de cobertura do pavimento superior.

E nesse 11/12 fica aqui os parabéns à todos os profissionais de arquitetura e engenharia civil.

Complexo Parque Leste Universitário

Ganhador do terceiro lugar no Concurso Internacional de Ideias Para Estudantes de Arquitetura, realizado na 9a Bienal de Arquitura de São Paulo.

A proposta busca a interação de um terreno com uma área verde e pública semi-utilizada na região central de Goiânia, com o desafio de garantir inclusão social e direito à cidade num complexo arquitetônico de habitações coletivas, serviços, comércios e equipamentos públicos. Assim, o conjunto edificado estabelece grandes vínculos de convivência com a cidade através de generosas entradas, permeabilidade e espaços públicos favoráveis, ampliando ainda mais as fronteiras do habitar a cidade.

A permeabilidade proposta está inserida no uso de pilotis e na própria criação de acesso ao importante terminal de transporte coletivo da região (Terminal Praça da Bíblia). O espaço de moradia é respeitado em sua intimidade através de três diferentes acessos restritos e a integração com a cidade e com o próprio verde da área é desenhado por novas possibilidades de percursos e áreas em comum para uso dos moradores do complexo ou da própria comunidade.

Croqui que permite a visualização do novo acesso que transpõe os pilotis do complexo e alcança o terminal de transporte público e o  Parque Leste Universitário. 

Foi proposto também um programa que pudesse gerar articulação entre os diferentes pavimentos do projeto. Por isso, foram criadas as chamadas áreas de interesse (destacada em roxo no imagem abaixo) de modo que proporcionassem o uso dos diversos pavimentos,  alcançando assim maior convívio entre os moradores.